Besthome | Príncipe de Constantino – diferenciais tecnológicos que geram conforto e comodidade com localização especial, próximo a vários colégios e centros de compras
15746
post-template-default,single,single-post,postid-15746,single-format-standard,qode-listing-1.0.1,qode-social-login-1.0,qode-news-1.0.2,qode-quick-links-1.0,qode-restaurant-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-13.0,qode-theme-bridge,bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.4,vc_responsive

Príncipe de Constantino – diferenciais tecnológicos que geram conforto e comodidade com localização especial, próximo a vários colégios e centros de compras

A inovação tecnológica está presente no uso de painéis arquitetônicos na fachada do prédio, com o diferencial do desempenho termoacústico e isolamento térmico, além da durabilidade e fácil manutenção. “Os painéis são elementos de vedação externa do prédio e são instalados prontos para receber as esquadrias, permitindo a execução dessa etapa em tempo bem inferior ao do sistema convencional, e sem interferência das intempéries”, relata o diretor-geral da Stamp, Fernando Gaion.

 

O processo de fabricação dos produtos Stamp tem um rígido controle. São fabricados a partir de matéria-prima devidamente ensaiada – cimento, pedra, areia, pigmentos e aditivos – para atender às exigências de qualidade no resultado final. “Os painéis são feitos sob medida para cada cliente, ou seja, não se trata de um padrão. A produção da Stamp é que se adapta ao formato desejado”, diz Gaion. Segundo ele, os itens têm, de forma geral, espessura média de 100 mm; o peso por metro quadrado é de 250 kg; e não têm limitação quanto ao padrão de acabamento, o que contribui para maior liberdade criativa do arquiteto. A parceria com a Joal Teitelbaum, desde a fase de projetos, permite criar uma característica única para seus prédios.

 

A Stamp atua com o Escritório de Engenharia Joal Teitelbaum desde 2009, com o objetivo de viabilizar empreendimentos diferenciados a partir de construções sustentáveis, utilizando novas tecnologias. “Com essa parceria, é possível reduzir e otimizar o consumo de materiais, energia, diminuir os resíduos gerados e preservar o meio ambiente”, enfatiza.

 

Outro ponto que diferencia a obra são as janelas de PVC das unidades, que recebem vidros duplos nos dormitórios e permitem melhor conforto térmico e acústico, além de reduzir o consumo de energia da unidade ao longo de toda a vida útil.

 

“Os vidros duplos aliam vantagens técnicas e estéticas. Entre eles há uma camada de ar desidratado e dupla selagem – a primeira evita a troca gasosa, e a segunda garante a estabilidade do conjunto”, destaca o diretor da Vidrobox – fornecedora das peças para o Príncipe de Constantino –, Gilberto Ribeiro. Esse sistema é insuperável quando o objetivo é aproveitamento da luz natural, com bloqueio do calor proveniente da radiação solar, e conforto sonoro.

 

“A opção é garantia de sustentabilidade e elevado grau de segurança do edifício, cujas janelas da região social são todas em vidro laminado”, completa o diretor. Sobre a relação de mais de duas décadas entre a Vidrobox e o escritório de engenharia, Ribeiro afirma que é uma parceria sustentada por sólidos compromissos de respeito, lealdade e ética. “É muito gratificante participar como fornecedores de vidros especiais nas diversas edificações gerenciadas pela Joal Teitelbaum. É uma empresa que pratica processos produtivos modernos, prima pela qualidade e respeito ao meio ambiente e disponibiliza à comunidade gaúcha prédios residenciais, comerciais e corporativos com alto padrão de qualidade, conforto, segurança e beleza”, avalia.

 

Consolidando o conceito sustentável, o empreendimento foi planejado e desenvolvido para reaproveitar a água proveniente da chuva. Isso remete à redução do consumo de água potável e a menor custo condominial. A utilização é destinada para realizar a irrigação do jardim das áreas comuns, além da limpeza e higienização dos espaços.

 

Mediante a instalação de placas de captação solar, os apartamentos contam, ainda, com pré-aquecimento da água por meio de energia limpa. A prática diminui a utilização de gás. O custo mensal também se retrai com essa economia, contribuindo para preservação da camada de ozônio e dos recursos naturais.