Besthome | Pelotas mais acolhedora e atrativa
15822
post-template-default,single,single-post,postid-15822,single-format-standard,qode-listing-1.0.1,qode-social-login-1.0,qode-news-1.0.2,qode-quick-links-1.0,qode-restaurant-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-13.0,qode-theme-bridge,bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.4,vc_responsive

Pelotas mais acolhedora e atrativa

Com um projeto que visa transformar a relação da população local e de turistas com a cidade, a prefeita do município vê no Quartier um exemplo de empreendedorismo inovador, tecnológico e sustentável

 

Paula Mascarenhas é pelotense, graduada e mestre pela UFPel, instituição na qual também foi professora adjunta a partir de 1993. Em 1999 assumiu a presidência do Instituto João Simões Lopes Neto, patrimônio cultural do estado do Rio Grande do Sul, cargo que exerceu por nove anos, e também a assessoria de cultura e educação do deputado Bernardo de Souza, a quem acompanhou por sete anos. Paula foi vice-prefeita de Pelotas na gestão 2012/2016, ao lado do então prefeito Eduardo Leite, a quem sucedeu ocupando a posição de primeira prefeita mulher da cidade e de primeira pessoa eleita no primeiro turno em eleições para a prefeitura do município.

 

Desde que assumiu a governança da cidade, a prefeita tem se dedicado a tornar Pelotas um lugar ainda mais atrativo para todos, moradores ou turistas, executando planejamento de governo que busca oferecer mais segurança e infraestrutura. Com o lema “Vamos compartilhar a cidade”, dando continuidade à mudança iniciada por Eduardo Leite na gestão anterior, Paula espera que as pessoas possam ocupar e aproveitar os espaços da cidade, com mais qualidade e sem a insegurança causada pela violência.

 

Entre as prioridades estão o andamento e a conclusão de obras em escolas de educação infantil, unidades básicas de saúde e pavimentação de vias importantes da cidade. Outra iniciativa que salienta é o Pacto Pelotas Pela Paz, que envolve inúmeras secretarias em uma iniciativa de ampliação da segurança pública e já mostra números bastante expressivos na redução da violência de Pelotas. Por fim, a prefeita salienta a importância da conclusão da obra da BR-116, que liga a região metropolitana de Porto Alegre ao sul do estado, e afirma que já há movimentação mais enfática de prefeituras e empresas para que essa obra possa ser finalizada, após quatro anos de atraso em relação ao estipulado, e que é fundamental para a economia da região sul do RS.

 

A prefeita de Pelotas, Paula Mascarenhas, concedeu entrevista exclusiva à Best Home.

 

Best Home: Nesses dois anos à frente da prefeitura de Pelotas, o que já foi possível desenvolver para a cidade? A gestão está de acordo com o planejamento conforme idealizado antes das eleições?

Paula Mascarenhas: Estamos cumprindo o planejado no nosso plano de governo, claro que dentro de limitações impostas, sobretudo, pelo orçamento enxuto e pelas condições financeiras da prefeitura de Pelotas. Muitas obras que estavam em andamento foram mantidas, algumas já concluídas, como a requalificação de várias escolas de educação infantil (Emeis) e de unidades básicas de saúde (UBS), além da pavimentação de importantes vias dos bairros. Sobretudo, estamos desenvolvendo, desde o início do meu mandato, um projeto muito amplo de segurança pública, que envolve tanto a questão do policiamento e da justiça quanto a prevenção da violência. Inúmeras secretarias participam do Pacto Pelotas pela Paz, que já apresenta resultados extraordinários, como a redução da violência em Pelotas, que era crescente.

Os crimes violentos letais intencionais (homicídios, latrocínios e feminicídios) caíram 18%, passando de 94 para 77 casos. O mês de setembro, por exemplo, registrou a menor média dos últimos quatro anos: apenas dois registros, sendo um feminicídio e um homicídio. Os crimes patrimoniais, como roubo a pedestres, a estabelecimentos comerciais e financeiros, ao transporte público, roubo de veículos e em residência, caíram, respectivamente, 21%, 12%, 26%, 38% e 39%. Enquanto isso, a apreensão de armas de fogo cresceu 40%, com 503 exemplares apreendidos, e o total de pessoas presas subiu 3,6%, sendo efetuadas 2.246 prisões em dez meses.

 

BH: O que ainda está em pauta para Pelotas nos dois anos que ainda restam de gestão?

Paula Mascarenhas: Além de ampliar o nosso projeto de segurança pública, vamos entregar obras importantes, estratégicas, como as principais vias dos bairros Areal e Fragata, respectivamente, as avenidas Domingos de Almeida e Duque de Caxias, e o Calçadão Central. Também iremos concluir a construção de Emeis que estão em curso e temos como desafio a implantação de um modelo de escola de turno integral, entre outras várias ações que pretendemos implementar.

 

BH: Conforme o plano de governo de Eduardo Leite para a cidade, o que foi mantido para a atual gestão e qual a importância dessa continuidade? De que forma a sua administração conversa com a do prefeito anterior e o que isso traz de positivo para Pelotas?

Paula Mascarenhas: O meu governo é de efetiva continuidade em relação ao governo anterior, do prefeito Eduardo Leite. Todas as obras herdadas tiveram seguimento. Algumas foram concluídas, outras estão em fase de finalização. A mudança cultural que o Eduardo promoveu, de uma renovação na cidade, de um novo planejamento urbano, de uma nova visão de valorização dos espaços públicos, tudo isso dialoga muito com o que nós pensamos. Inclusive, o nosso projeto de segurança pública prevê uma cidade que atraia as pessoas, que tenha espaços públicos qualificados para o encontro entre as pessoas, porque a segurança se faz também com pessoas convivendo na rua. “Vamos compartilhar a cidade” é o lema do meu governo. O Eduardo reorganizou Pelotas, e nós temos o desafio de torná-la cada vez mais atrativa para quem vive aqui e para os turistas.

 

BH: A BR-116 está com aproximadamente 60% de suas obras concluídas, mas ainda há um longo trabalho pela frente. Como a sociedade e a prefeitura estão se mobilizando para fortalecer a necessidade de finalização das obras de modo a impulsionar a economia da região sul?

Paula Mascarenhas: A duplicação da BR-116 é a obra pública mais importante do Rio Grande do Sul, porque une a região metropolitana ao principal porto do estado. É inaceitável que apenas 60% da obra, cuja conclusão estava prevista para 2015, estejam concluídos. Foi feita uma grande mobilização, partindo aqui da Zona Sul, não só entre os entes políticos e gestores públicos, mas também com adesão da sociedade, de empresários, das entidades e das universidades. Nós conseguimos sensibilizar o estado para a condição estratégica da rodovia e levar a Brasília esse pleito. Desde então, a obra vem recebendo mais recursos, como os R$ 30 milhões assegurados para 2019, que são oriundos de uma emenda impositiva da bancada gaúcha. Isso sem contar os R$ 80 milhões que já estavam previstos no orçamento. Temos certeza de que o governador Eduardo Leite vai nos acompanhar e liderar esse processo de pressão em Brasília para que seja concluída essa obra tão importante.

 

BH: O quanto inovação e tecnologia são determinantes para o desenvolvimento das cidades? De que forma esses conceitos são aplicados pela sua administração em Pelotas?

Paula Mascarenhas: A inovação e a tecnologia são ferramentas fundamentais de desenvolvimento, de geração de emprego e de renda. O Parque Tecnológico foi criado com o propósito de desenvolver produtos e soluções inovadoras não só para o município, mas também para o mundo. Antes da sua implantação, as empresas atuavam de forma isolada, e agora estão unidas, numa relação estreita com as universidades. Hoje o espaço está 100% ocupado e abriga 28 companhias – umas iniciantes, outras já consolidadas no mercado – que desenvolvem projetos sobre tecnologia e inovação voltados para as áreas de saúde, indústria criativa, informação e comunicação.

 

BH: O Bairro Quartier será concluído no ano que vem. O que você espera a partir da inauguração em questão de mudanças na vida dos pelotenses?

Paula Mascarenhas: Eu tenho certeza de que a inauguração do Quartier vai ser um marco na cidade de Pelotas.  Essa nova visão de urbanismo que um bairro planejado oferece privilegia, com sucesso, o regramento do espaço público e a sua ocupação. O novo bairro vai inspirar outros tantos exemplos para que a cidade possa ver crescer o seu planejamento urbano de forma organizada, planejada e inclusiva, com o propósito de melhorar a qualidade de vida da nossa população.

 

BH: O que o projeto do bairro e os princípios valorizados em sua construção trazem de positivo para a cidade como um todo? Como esses valores conversam e contribuem com a administração do seu governo?

Paula Mascarenhas: Os princípios do bairro Quartier de priorizar a vida em coletividade, em sintonia com espaços públicos e com o meio ambiente, dialogam perfeitamente com a nossa visão da cidade. Acreditamos que o encontro entre as pessoas é benéfico e que espaços públicos, uma vez qualificados, se tornam cada mais seguros, e as pessoas devem realmente viver intensamente a sua paisagem urbana. Temos grande admiração pelo projeto, tenho certeza de que vai abrir novas possibilidades de investimento na construção civil do nosso município.

 

BOX: “Vida inteligente é vida com qualidade” – as projeções do Bairro Quartier visam oferecer a melhor qualidade em infraestrutura e sustentabilidade para seus futuros moradores. O espaço total da área do projeto é de 30 hectares, nos quais 11 serão de área verde. Nos outros 19 hectares, há potencial construtivo de 400 mil metros quadrados, que abrigarão residências e escritórios. O espaço também está em processo de certificação pelo US Green Building Council na Categoria LEED – ND (Leadership on Energy and Environmental Design – Neighborhood Development).

 

Entre os diferenciais do bairro, estarão a redução na emissão de gases causadores do efeito estufa, diversas ciclovias e a gestão eficiente de elementos básicos como água, energia e resíduos, garantindo a manutenção e descarte consciente. Para a realização do empreendimento, a Joal Teitelbaum conta com o apoio de diversos parceiros com qualidade comprovada.

 

Crédito das foto: Gustavo Mansur