Joal Teitelbaum | Revista Best Home – Edição 39
16290
page-template-default,page,page-id-16290,qode-listing-1.0.1,qode-social-login-1.0,qode-news-1.0.2,qode-quick-links-1.0,qode-restaurant-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-13.0,qode-theme-bridge,bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.4,vc_responsive
 

Revista Best Home – Edição 39

Edição 39 – Ano 10 – Novembro, Dezembro e Janeiro de 2015

EDITORIAL DO MÊS

INTEGRIDADE E ÉTICA

Mesmo antes da Antiguidade a palavra ética, embora não fosse assim denominada, já acompanhava a história da evolução humana.

Contudo, ela vem recebendo as mais variadas interpretações práticas, decorrentes, na maioria das vezes, dos objetivos e interesses do “usuário”.

Esse “usuário” pode ser o setor público, o setor privado ou o indivíduo. Nosso Planeta, ao longo dos séculos, sofreu com desmandos de governos discricionários que dizimaram regiões, eliminando milhões de pessoas em conflitos regionais ou mundiais. E onde estava a ética?

O que dizer de ações também originadas no setor privado e que, na prática de processos predatórios, destroem concorrentes ou não respeitam os contratos firmados? Pergunta-se mais uma vez: onde está a ética?

A existência da OMC (Organização Mundial do Comércio) é um bom sinalizador de que se está na busca de uma regulamentação, pelo menos no comércio internacional.

Sente-se em nossos dias que o pensamento, o conhecimento e a sabedoria de Sócrates, que ordenou este tema, não convergem com que se constata sob a égide da palavra ética.

Sob esse foco queremos expressar que mais adequado que o termo “ética” é o “integridade”.

A ética pode variar de acordo com princípios morais de cada região ou país. Mas integridade é fundamentada e tem critérios tangíveis. Esse é o novo paradigma que devemos construir.

Em âmbito nacional, o que cabe ao setor privado realizar com todo o potencial gerencial para instalar a integridade em seus processos?

Compete ao setor privado ter a integridade como princípio, pois este é o melhor fundamento do processo para construção de um mercado participativo e norteado pelo poder do capital gerencial, compartilhado com todos os intervenientes.

Qualidade e integridade são pilares da inovação, da competitividade não predatória e do crescimento sustentável em uma economia globalizada, o que muito bem ensinam, há mais de uma década, os dois mestres Armand e Donald Feigenbaum em seu livro “O poder do capital gerencial”.

Nossa empresa, de trajetória com mais de meio século, assegura-nos a liberdade de afirmar que ética é embasada em fundamentos intangíveis e variáveis; todavia, a integridade funciona como um filtro e é a resultante de princípios e critérios tangíveis e contínuos.

Convidamos os leitores a esta reflexão.

Joal Teitelbaum 
Diretor-Presidente do Escritório de Engenharia Joal Teitelbaum