Joal Teitelbaum | Revista Best Home – Edição 43
16298
page-template-default,page,page-id-16298,qode-listing-1.0.1,qode-social-login-1.0,qode-news-1.0.2,qode-quick-links-1.0,qode-restaurant-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-13.0,qode-theme-bridge,bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.4,vc_responsive
 

Revista Best Home – Edição 43

Edição 43 – Ano 10 – Novembro, Dezembro e Janeiro de 2015

EDITORIAL DO MÊS

O aquecimento global, a ONU e a indústria da construção

Em outubro de 2014 e no dia do aniversário da Organização das Nações Unidas, completaram-se 20 anos desde que foi entregue, em audiência especial na Secretaria Geral das Nações Unidas, um documento denominado “A step on the way to a new Earth” – Um passo na direção de um novo planeta Terra.

Na década de 90, coube-nos coordenar, em nome das cinco Federações Continentais e por meio da Confederação Mundial da Indústria da Construção, uma pesquisa e um abrangente trabalho de 1991 a 1994 em que se mostrou que a indústria do bem-estar humano, ou seja, a indústria da construção, além de ser uma aliada da preservação ambiental, era capaz de atuar preventivamente contra incontáveis agressões ambientais.

Além daquele das Federações Continentais, deve ser registrado o apoio operacional que recebemos do então secretário-geral da Confederação Mundial, Eric Lépage. Qual a razão de, passados 20 anos, voltarmos a esse tema? Por uma razão simples nas evidências, porém de complexa solução: a preocupação expressada pelo secretário-geral das Nações Unidas quanto à crise do aquecimento global e à afetação dos mananciais de água.

Este planeta, que deveria chamar-se planeta Água, pois quatro quintos de sua superfície são água, é pleno de contrastes. Zonas áridas continuam avançando, e nunca na história recente a camada de gelo da Antártica foi tão ampla! A falta de água faz-se sentir não apenas nas regiões áridas, mas também nos centros urbanos. O desperdício continua tão acentuado como se a água fosse um bem infinito.

Ainda há tempo. Vamos tirar os bons projetos do armário e, com o apoio da indústria da construção, dar a sustentabilidade global a esse produto e ao saneamento, sem o que o planeta terá como visão de futuro a aridez de Marte.

Joal Teitelbaum
Diretor-Presidente