Joal Teitelbaum | Revista Best Home – Edição 46
16295
page-template-default,page,page-id-16295,qode-listing-1.0.1,qode-social-login-1.0,qode-news-1.0.2,qode-quick-links-1.0,qode-restaurant-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-13.0,qode-theme-bridge,bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.4,vc_responsive
 

Revista Best Home – Edição 46

Edição 46 – Ano 11 – Agosto Setembro Outubro 2015

EDITORIAL DO MÊS

São surpreendentes os avanços da humanidade nas últimas décadas no campo das novas tecnologias, na medicina, na engenharia, chegando inclusive aos processos de pesquisa para períodos pré-históricos que possam esclarecer o surgimento da raça humana.

Contudo, estamos anos-luz de distância daquilo que pudesse representar o desenvolvimento harmônico da civilização, sem os “ismos” como radicalismo, fundamentalismo, sectarismo e da mesma forma as ações e processos dos valores que são os fundamentos que construíram a sociedade moderna e contemporânea.

Mesmo em países em que os fundamentos da Carta Magna ou da Liberdade, Igualdade e Fraternidade são os pilares da sociedade, para que a chama não se apague, o ensinamento de Thomas Jefferson de que o preço da liberdade é a eterna vigilância deve estar permanentemente conectado com a gestão e a governança exercida pelos poderes constituídos. Vivemos um período semelhante a outros em que migrações pacíficas, mas sem uma disciplina de controle, conduziram a retrocessos.

A nossa civilização presente tem condições tecnológicas de enviar astronautas em naves espaciais de ida e volta, pelo menos de circunavegação a planetas próximos da Terra, mas não se vê estruturalidade e persistência para equacionar os sérios problemas sociais que afetam a qualidade de vida e, em alguns casos, até ameaçam a estabilidade regional.

As questões que estão no horizonte não se resolvem simplesmente com recursos materiais.

Esse cenário é complexo, e está muito claro que aquela máxima é verdadeira: “Para toda situação complexa há uma infinidade de soluções simples. Infelizmente, todas equivocadas”.

Muita logística, competência e perseverança serão necessárias. Não nos iludamos.

É tempo de agir.

Joal Teitelbaum
Presidente